quarta-feira, 5 de dezembro de 2018

Operação com 400 policiais para apreensão de drogas e armas tem 14 presos e quatro suspeitos mortos

Quatro suspeitos foram mortos e 14 foram presos nesta quarta-feira (5), em Salvador, durante a operação de combate a quadrilhas que seriam responsáveis pela distribuição de drogas e armas na Bahia. Intitulada "Guerra e Paz", a ação contou com 400 policiais civis e militares, além de cães farejadores. 
O trabalho de investigação foi coordenado pelo Departamento de Repressão e Combate ao Crime Organizado (Draco) e Superintendência de Inteligência (SI) da Secretaria da Segurança Pública. A operação foi deflagrada na madrugada desta quarta-feira, em bairros de Salvador. Segundo a polícia, foram 18 mandados de prisão. Deles, 14 foram cumpridos. 
Três veículos foram apreendidos, além de R$ 17 mil em espécie e 50 kg de drogas, quatro pistolas, revólver e munições. As investigações começaram começaram em abril de 2017.

8 comentários:

  1. Em ITABUNA precisa de uma OPERAÇAO EFICIENTE ASSIM.

    ResponderExcluir
  2. tro homens foram mortos em confronto com a polícia e 14 pessoas foram presas durante a operação 'Guerra e Paz', deflagrada nesta quarta-feira (5) pelo Departamento de Repressão e Combate ao Crime Organizado (Draco) da Polícia Civil e pela Superintendência de Inteligência da Secretaria da Segurança Pública da Bahia (SSP-BA). A ação desmontou um grupo criminoso que movimentada R$ 2 milhões em drogas por mês no Bairro da Paz.

    De acordo com a polícia, Roberto dos Santos, de 36 anos, conhecido como 'Beto', que liderava o grupo criminoso, foi localizado em um condomínio de luxo em Vilas do Atlântico, na cidade de Lauro de Freitas, região metropolitana de Salvador. No momento em que os policiais chegaram na casa, Beto correu para um dos cômodos e reagiu atirando. Ele foi baleado, socorrido para o hospital Menandro de Faria, mas não resistiu aos ferimentos.

    Na casa, ainda foi cumprido o mandado de prisão contra Jucileide Pereira Vieira, de 29 anos, esposa de Beto. Segundo o diretor do Draco, delegado Marcelo Sansão, ela era responsável pelo núcleo financeiro da quadrilha e agilizava a lavagem do dinheiro adquirido com o repasse de drogas. Estabelecimentos comerciais de fachadas eram utilizados para validar os recursos ilícitos.

    "Eles tinham uma estratégia de movimentação financeira muito bem-feita. A gente consegue identificar o núcleo financeiro que trabalhava na lavagem dos capitais e o núcleo que fazia a movimentação do tráfico de drogas. Na questão financeira, conseguimos identificar a lavagem de dinheiro que era feita pela quadrilha. O grupo tinha imóveis alugados, usavam lojas de produtos infantis, salão de beleza para lavar o dinheiro e isso tudo vinha sendo monitorado pela polícia", explicou o delegado. "A Jucilene gastava em média 35 mil reais por mês em compras no shopping center. Ela relata, inclusive, que fez plásticas pagas à vista", acrescentou.

    Com o chefe da organização foram apreendidos uma pistola fabricada na Rússia calibre 9 mm, carregador, munições, um veículo e documentos falsos em nome de Marcos Silva Machado.

    Já no Bairro da Paz, foram localizados Jucilene Pereira Vieira, 33, conhecida como 'Fia', Jaqueline Pereira Vieira, 20, ambas irmãs de Jucileide, Hermínio Oliveira Moreira, 43, Cristiano Cândido dos Santos, 40, Bárbara Santana Barreto, 30, Elias Cunha Braz, 33, Luan Almeida dos Santos, 18, Silvano Sena dos Santos, 25, Cristiano Timóteo do Nascimento, 32, Cleiton Couto Pinto, 22, Rodrigo Pereira Neri, 26, Eliseu Silva do Nascimento, 21, e Joilma dos Santos Reis, 26, todos presos por determinação judicial.

    Conforme a polícia, nos cumprimentos de mandados de prisão de Darlan Oliveira da Silva, 25, Leandro de Jesus Ramos, 28, e Rodrigo Conceição dos Santos, 29, houve confronto. O trio foi socorrido para o Hospital Menandro de Faria, mas não resistiu.



    A ação resultou ainda na apreensão de quatro pistolas, um revólver, cerca de 50 kg de maconha e crack, R$ 17 mil e três veículos (dois carros e uma motocicleta). A cadela Funk, da raça Cocker Spaniel, pertencente à Coordenação de Operações com Cães da COE indicou a localização da droga, que estava enterrada.

    ResponderExcluir
  3. Venha pra Itabuna... 70% estariam com medo.

    ResponderExcluir
  4. O Conselho Regional de Medicina Veterinária (CRMV) alerta que os veterinários que fizerem a cirurgia correm o risco de ter o registro suspenso pelo conselho e não poder mais atuar na profissão. Desde 2013 existe uma lei federal que torna crime a prática da caudectomia e da conchectomia. Tanto veterinários quanto qualquer pessoa que cometer tal ato, está sujeita à pena de detenção de três meses a um ano, além de multa.

    O artigo 39 da Lei de Crimes Ambientais proíbe maus-tratos aos animais, o que inclui a mutilação deles. Quem for flagrado cometendo esses atos poderá responder processo.


    NO ENTANTO O CÃO DA POLICIA AI NA FOTO ENCONTRA-SE COM A CAUDA AMPUTADA!

    ResponderExcluir
  5. Boa Noite! Dignificando e enaltecendo o trabalho desses guerreiros apenas saliento que na próxima vez "improvisar um colete para o cachorro" que tem também um trabalho que deve ser reconhecido!
    Sei que uma fatalidade com o animal, seria de grande perda para os nobres policiais que também sentem pela convivência e sentimento familiar que adquiriram com o animal.

    Parabéns a todos pela coragem em nos defender, mas, da próxima, vamos cuidar mais do animalzinho que tem um papel muito importante para sociedade e também para os nobres parceiros policiais.

    ResponderExcluir
  6. Caralho,400 PMs pra prender 14,que vergonha,..

    ResponderExcluir
  7. Os policiais se esconde, e deixa o (cao) na reta,kk.

    ResponderExcluir
  8. A patroa quem manda e ela Porta
    Brota....

    ResponderExcluir